O Presbiterianismo em Curitiba

Em fins de setembro de 1885, depois da reunião do Presbitério do Rio de Janeiro, os Revs. Robert Lenington e George Anderson Landes fizeram uma viagem evangelística de São Paulo ao Paraná, visitando Fundão, Tibagi, Ponta Grossa, Palmeira. São Luiz e Curitiba, pregando em todos estes lugares.

O Rev. Landes fixou-se em Curitiba.

Num relatório do Rev. Lenington se diz:
"O povo de Curitiba era indiferente às cousas religiosas; em algumas ocasiões não houve nos cultos senão o Rev. Landes e sua família, que se reuniam à rua do Rosário, em salão alugado (Salão Motzko)".

Em março de 1886 houve início de alguma oposição à pregação do Evangelho em Curitiba. O Pe. João Evangelista Braga, Vigário Geral, expediu uma circular aos párocos de todo o Estado e publicou-a nos jornais da Capital, condenando o movimento presbiteriano.

Voltando o Rev. Chamberlain para São Paulo, o Rev. Landes fica só para atender a todo o campo evangelístico no Paraná.

No ano de 1887, consta que nesta província havia duas igrejas, de Fundão e de Tibagi. O Rev. Landes pediu permissão ao Presbitério para dissolver estas Igrejas, fazendo de seus membros outras duas; sendo concedida esta licença, foram organizadas as igrejas de "Coritiba" e de Castro. Acrescenta a informação que, no ano findo, professaram no extenso campo do Rev. Landes sessenta e duas (62) pessoas e foram batizadas quarenta e (40) crianças.

Em maio do mesmo ano, em Recife, Pernambuco, foram ordenados para o santo ministério do Evangelho, os Srs. João Baptista de Lima, José Primênio da Silva e Belmiro de Araújo Cesar, que fizeram os seus estudos preparatórios e teológicos sob a direção do Rev. John R. Smith.

O Rev. Primênio candidatou-se ao pastorado da Igreja de Curitiba, oferecendo-se para visitá-la em 1897; o Rev. Belmiro A. Cesar, era pai do Rev. Luiz Lenz de Araújo Cesar, um dos pastores desta Igreja nas décadas de 1920 a 1940.


PROFESSORAS DA ESCOLA AMERICANA


IGREJA PRESBITERIANA DE CURITIBA - MEADOS DE 1895


PREGAÇÃO SALÃO MOTZKO - 07 DE MARÇO DE 1886 - JORNAL DEZENOVE DE DEZEMBRO